Lição de casa: mocinha ou vilã?

Por Lígia Duran, assessora pedagógica Be – Bilingual Education

A aplicação da lição de casa (ou tema de casa, dever de casa, para casa, tarefa e outras tantas nomenclaturas Brasil afora) vem sendo um tema polêmico na área da educação desde seus primórdios. Há controvérsias quanto à origem dessa expressão, mas acredita-se que Johann Gottlieb Fichte seja o criador do conceito de “lição de casa”. Filósofo conhecido por ser um dos principais representantes do idealismo alemão, Johann teve uma relação importante com os sistemas Volksschule e Realschule. A Volksschule foi criada para fornecer uma educação básica e obrigatória a todas as crianças na Alemanha, enquanto a Realschule foi criada para fornecer uma formação mais avançada e técnica, preparando os estudantes para a escola profissional ou para continuar seus estudos em uma escola superior. O dever de casa fazia parte da Volksschule.

Nos EUA, Horace Mann parece ter sido um dos precursores da prática nas escolas, tendo documentado e importado a abordagem, entre outras, após uma temporada na Europa pesquisando o sistema de ensino público na Prússia. A ideia desse educador, político e abolicionista era reforçar a aprendizagem dos estudantes por meio da tarefa de casa.

É importante dizer que, independentemente de sua verdadeira origem, a lição de casa passou, ao longo dos anos, por diversos momentos controversos. Houve grupos que a defenderam, acreditando que ela seria importante para reforçar o aprendizado, enquanto outros a repudiaram, argumentando que ela poderia ser prejudicial para as crianças. Sob esse argumento, a lição de casa foi proibida em alguns países. 

Afinal de contas, qual o papel da lição de casa na Educação Bilíngue?

Como em toda e qualquer abordagem educacional, a eficácia da Educação Bilíngue vai depender do entendimento e dos encaminhamentos dado pela escola e, consequentemente, pelos educadores. Com a lição de casa não é diferente. Ela pode ser um instrumento potente de aprendizagem que gera autonomia, desenvolve uma postura de estudante e coloca o estudante no centro da própria aprendizagem. Além disso, o exercício ativo de fazer as lições de casa possibilita maior tempo de contato com a língua adicional e com outras culturas. Sem contar que é um bom momento para as famílias acompanharem de perto o trabalho proposto pela escola e o aproveitamento individual do estudante acerca dessas propostas. Para tanto, é imprescindível que a concepção do educador em relação ao instrumento não seja aquele de castigo, de punição ou, como alguns acreditam, de “preencher os momentos vagos” dos estudantes de maneira “útil”. A lição de casa deve ser vista como uma ferramenta para expandir o conhecimento e estabelecer uma relação entre o que é aprendido e o que é vivido.

O que deve ser considerado ao elaborar uma lição para casa na Educação Bilíngue?

Ainda que os preceitos básicos para a elaboração e a atribuição de lições de casa sejam comuns a qualquer abordagem, na Educação Bilíngue algumas particularidades podem ser entendidas. Entre elas: 

  • Os educadores bilíngues devem ter em mente que a língua adicional pode ser um gatilho de traumas e desafios para os familiares envolvidos no processo. Então, o ponto de partida é garantir que o objetivo seja claro e que o encaminhamento feito na aula que antecede a lição seja adequado e suficiente para que o estudante execute a tarefa autonomamente. Comunicados e orientações específicas às famílias, assim como propomos nas Cartas às Famílias disponíveis para as escolas parceiras do Be, são de grande valia nesse momento.
  • A comunicação objetiva também é essencial. Escrever “Página 14” na agenda não é um bom exemplo de comunicação para tarefas de casa. Tal comunicação deve ser completa e clara: transmitir o que foi feito previamente em sala, o objetivo da tarefa, onde podem ser encontrados os recursos de suporte para a execução da tarefa. Tudo isso auxilia na compreensão do exercício e evita a ansiedade, tanto dos estudantes quanto das famílias. Cabe ao educador levar em consideração os diferentes estágios na Zona de Desenvolvimento Proximal (Vygotsky, 1984) dos estudantes e oferecer suporte adequado a cada um deles.
  • O tempo médio que o estudante vai levar para fazer a tarefa também é um ponto importante. O objetivo é aprender com motivação. Por isso, os educadores devem evitar tarefas muito longas ou impraticáveis no prazo dado. Eles devem se lembrar de que a vida dos estudantes e de suas famílias é composta de outros compromissos além da escola.
  • É crucial que os educadores deem devolutivas às atividades feitas em casa que ultrapassem o famoso “visto no caderno”. Se o objetivo do envio da lição de casa é contribuir para o desenvolvimento continuado do estudante, torna-se necessário planejar e organizar momentos de reflexão, troca, correção e análise dessas atividades. Existem diferentes formas de fazer isso e que podem se tornar mais uma oportunidade de aprendizagem e aprofundamento. Por exemplo, a correção aos pares, na qual, juntos, os pares revisam e corrigem aquilo que precisa ser reformulado.

E se, mesmo assim, o estudante não conseguir desenvolver a tarefa autonomamente? 

As práticas podem ser variadas, mas o ideal é que a lição volte para a escola sem estar concluída. Dessa forma, o educador tem a oportunidade de explicar novamente a questão e garantir que o objetivo da tarefa seja contemplado, oferecendo suporte adequado em sala de aula sem que haja nenhum prejuízo para o estudante.

O que pode ser proposto como lição de casa na Educação Bilíngue?

No Currículo Be, trabalhamos com os componentes curriculares Language, Science e World Cultures and Geography. A seguir, trago alguns exemplos possíveis de lições de casa nesses componentes curriculares:

  • Nas aulas de Science: uma pesquisa sobre um tema a ser trabalhado na aula que antecede ou que sucede a aula. Nesse caso, o estudante pode trazer uma descoberta em forma de imagem ou parágrafo para apresentar à turma, dando sua contribuição para a Discoveries Wall, uma parede que reúne aquilo que os estudantes descobriram sobre o tema antes ou depois de abordá-lo.
  • Nas aulas de Language: uma prática extra sobre alguma estrutura que foi trabalhada previamente em sala, para retenção. Aqui podem entrar jogos virtuais, cruzadinhas, quadrinhos, etc. Qualquer elemento no qual os estudantes possam perceber o uso real daquela estrutura ou vocabulários específicos. 
  • Nas aulas de World Cultures and Geography: uma enquete com os familiares sobre determinado tema. Por exemplo, imigração x emigração.  Quantos imigrantes há na família e de que país vieram?  Ou quantas pessoas da família deixaram o Brasil para morar em outro país? Qual foi a razão dessa mudança?

Certamente essas ideias poderiam ser um artigo à parte. Afinal, muitas são as possibilidades de transformar a lição de casa – muitas vezes vista como vilã – em uma outra ferramenta, que colabora para a aprendizagem e faz com que ela ultrapasse os muros da escola. 

A lição de casa pode ser o grande elo entre o que se aprende e o que se vive, e se relaciona com muitas experiências que a sala de aula bilíngue promove. Além disso, as lições de casa contribuem para uma aproximação mais efetiva das famílias quanto ao desenvolvimento das crianças e dos adolescentes; promovem trocas significativas entre estudantes e suas comunidades; e se aproximam de um dos objetivos mais importantes do nosso trabalho com os estudantes: o amor por aprender.


Sobre a autora

Lígia Duran


Assessora pedagógica do Be – Bilingual Education. Graduada em Letras pela Fundação Santo André (SP). Pós-graduada em Educação Infantil pela UMESP e em Metodologias e Práticas para o Ensino Bi/Multilíngue pelo Instituto Singularidades de SP. Tem 22 anos de experiência em sala de aula no ensino de língua inglesa, cinco deles na área da Educação Bilíngue.

Search

Conteúdos mais lidos

Metacognição é a reflexão sobre o próprio pensamento. O que o conceito tem a ver com a Educação Bilíngue e

Por Flaviane Cunha | Consultora Pedagógica O inglês está em todo lugar. Não precisamos mais viajar para outros países para